Voltar à página inicial

 Clinotávora, prestação de serviços médicos, Lda                   

Contribuinte nº 504576780

 
Telefones:
Marcações:
Medicina Dentária, Oftalmologia e Psiquiatria - 254594060
Clínica Geral - 254595197
Fax - 254594060
Email: med00010@ordemmedicos.pt
                                   
clinica-pequena-1.JPG (2170 bytes) clinica-pequena-3.JPG (1918 bytes) clinica-pequena-5.JPG (2047 bytes) clinica-pequena-6.JPG (2272 bytes) clinica-pequena-4.JPG (2225 bytes) clinica-pequena-2.JPG (1896 bytes)

                                                                                    Clique em cada imagem para a observar em grande dimensão; feche a janela para abrir outra.
 

Direcção: Dr. António José Leitão Canotilho - Médico assistente graduado de clínica geral e médico de família do Centro de Saúde de Sernancelhe

Nota do autor da página (António Canotilho):
O conceito de médico de família, assenta, como a própria designação indica, na existência de um médico que assiste toda a família. Foi, como é sabido, a extensão do conceito de clínico geral ou médico assistente individual, de largas tradições mesmo entre nós, criado pela constatação de que a noção de saúde do indivíduo se reflete nos seus familiares, sendo por isso necessário que o médico conheça e trate de todos os elementos da mesma família, para poder avaliar correctamente as interacções dos seus membros.

Constatou-se progressivamente que a acção altamente meritória do médico assistente se enriquecia e se tornaria mais eficaz se o mesmo médico fosse responsável pela saúde de toda a família, pois o conhecimento do estado de saúde da família permitiria ter uma noção mais clara e mais completa da afecção manifestada por um dos seus membros. Chegou-se até ao extremo de considerar que a doença que afectava o indivíduo não era mais que o sintoma da doença que envolvia todo o agregado familiar, particularmente no âmbito das perturbações do comportamento e nas situações emocionais.

Deste modo, é fácil de deduzir que o conceito se estabeleceu na base das vantagens para o cidadão doente de o seu médico assistente ser o mesmo de toda a sua família. Aliás, o conceito renova a figura tradicional do médico rural, tão bem retratada por Júlio Dinis no João Semana, que atendia todas as famílias da aldeia em que trabalhava. O conceito de médico de família actual e moderno é, pois, um "remake" do médico assistente clássico.

É verdade que a aplicação prática deste renovado conceito de médico de clínica geral assistente de toda a família é difícil de implementar numa sociedade moderna, de modo a compatibilizar os direitos dos médicos com as necessidades da saúde dos cidadãos. Seria necessário um modelo organizacional flexível e descentralizado, permitindo o estabelecimento de um regime contractual livre e autónomo entre as famílias e o médico, de molde a satisfazer ambas as partes.

Creio mesmo que será muito difícil, senão impossível, atingir este desiderato no âmbito do esquema rígido do actual Serviço Nacional de Saúde. Seria indispensável uma criatividade activa que tornasse possível a liberalização de prestação de cuidados e a institucionalização de entidades financiadoras responsaveis pelos custos, com base na tributação, na mutualidade ou mesmo nos seguros obrigatórios ou complementares. Tudo isto obrigaria a uma renovação e reestruturação completa do actual sistema de financiamento, para garantir com equidade que o cidadão e seus familiares tivessem acesso ao médico de família. Como a obra é complexa e implica uma completa renovação de mentalidades e métodos, torna-se para os responsáveis da saúde, com o seu facilitismo e improviso tradicional, de tentarem subverter o problema, continuando a apresentar propostas alternativas, que não satisfazem de modo algum a sociedade e os profissionais médicos, continuando a apresentar a proposta peregrina de substituir o médico assistente único por vários médicos, que acabam por não ser conhecedores dos pormenores da mesma família (através dos SAPS, SACS, etc). Seria importante a contractualização e privatização de alguns sectores da medicina, que não só ofereciam mais disponibilidade, qualidade e competitividade do acto médico, como também reduziam os gastos enormes que o Estado tem para com o sector da saúde.

Assim nasceu a Clinotávora, uma empresa médica, preparada para um futuro, perspectivada a combater certas lacunas do Serviço Nacional de Saúde.

O sector privado permite a aproximação e o trabalho em equipe com outras Especialidades médicas, e a possibilidade de execução de exames auxiliares de diagnóstico, que no sector público não é possível.
Há um ganho, maior segurança e motivação, e a possibilidade de aproximação imediata do médico de Clínica Geral às especialidades que funcionam em conjunto, traduzindo-se este substracto, numa melhor qualidade de saúde à população, e evitando que estas muitas vezes se desloquem à cidade para efectuar um simples ECG.

Iniciou as suas funções em Outubro de 1999 com Clínica Geral (Dr. António José Leitão Canotilho) e Medicina Dentária (Drª Sandra Isabel Breda Cabral, medica licenciada em medicina dentária pela Faculdade de Medicina da Universidade de Coímbra), e em 2000 com Oftalmologia (Dr. Salvador, especialista em Oftalmologia pelos Hospitais da Universidade de Coímbra) e Electrocardiografia (Dr. Luciano Antunes médico Cardiologista do Hospital de S. Teotónio de Viseu).
Desde o início de 2001, Dr. Pedro Seixas, médico licenciado em medicina dentária, oferece também o seu apoio em medicina dentária dois dias por semana.
Desde Dezembro de 2001 consultas de Psiquiatria (Dr. José Luis Nunes de Almeida, médico Psiquiatra do departamento de Psiquiatria do Hospital de S. Teotónio de Viseu)

Em paralelo, no mesmo edifício da Clínica, mas num espaço próprio um Posto de colheita de análises, de segunda a sexta-feira, extenção do Laboratório Santos Monteiro de Lamego, direcção técnica da Exª Srª Drª Manuela Santos Monteiro.

 

 Voltar à página inicial